Shimano, Sram ou Campagnolo? Qual marca escolher? E agora!?

Muitas pessoas conversam conosco e pedem dicas e informações sobre marchas e transmissões. Diante disso, resolvemos listar aqui as principais marcas e comparar seus modelos existentes no mercado.

Os objetivos aqui são: 1) ajudar você a entender quais modelos têm qualidades e funções semelhantes; 2) saber qual modelo é mais indicado para seu uso.

Além disso, falaremos não só sobre as marchas e transmissões e sim dos grupos de componentes existentes. Ou seja, trocadores/passadores, câmbios dianteiros e traseiros, pedivela, corrente, freios e caixarias, em resumo. Veja a foto.

Comparação (2).png

Foto: Grupo Shimano Acera (Divulgação)

Basicamente, existem dois tipos específicos de grupos, e seus usos são para:

  • Estrada (Bikes speed): destinados para bicicletas de estrada que desenvolvem altas velocidades e são muito leves;
  • Terra (Mountain bike): destinadas para bicicletas que realizam trilhas, montanhas ou ladeiras (Down Hill)

Atualmente, no Brasil, três marcas estão fortemente presentes no mercado, são elas:

  • Shimano: popularmente conhecida;
  • Sram: vem ganhando popularidade;
  • Campagnolo: marca clássica específica para bikes de estrada

Existem outras marcas? Sim. Mas vamos dar maior atenção a essas três, pois detêm cerca de 90% do mercado do Brasil.

Para facilitar seu entendimento, encontramos uma tabela bem explicativa que separa os tipos específicos de grupos, marcas e modelos, bem como o nível de qualidade/desempenho dos modelos.

Além disso, abaixo dos modelos, há números que apresentam sua quantidade de marchas, lembrando que geralmente as transmissões de estrada (bike speed) têm duas coroas no pedivela.

Comparação (1).PNGFonte: Santiago Bikes (Portugal)

Quanto às marcas, veja que a Shimano e SRAM fabricam grupos para terra e estrada. Já a Campagnolo apenas para estrada.

Quanto aos níveis, iremos descrevê-los brevemente:

  • Competição – modelos de transmissão destinados para profissionais. São muito leves e têm alta precisão, preços são consideravelmente elevados no Brasil;
  • Alto – modelos de transmissão destinados a semiprofissionais e profissionais. Têm alta precisão e são muito leves, bem semelhantes aos de competição, preços altos também;
  • Médio – modelos de transmissão destinados a semiprofissionais. Têm boa precisão, baixo custo de manutenção e bons pesos. Os preços começam a ficar acessíveis;
  • Baixo – modelos de transmissão destinados a amadores e semiprofissionais. Têm boa precisão, baixo custo de manutenção e preços acessíveis;
  • Básico – modelos de transmissão destinados a amadores. Às vezes requerem mais manutenção, porém os preços são muito acessíveis.

A dica aqui é a seguinte: está começando a pedalar e ainda não sabe seu estilo?

Prefira os modelos básicos e aventure-se até descobrir se sua “praia” é terra ou asfalto.

Quer investir um pouco mais e ter bons equipamentos?

Os níveis baixo e médio atendem muito bem os ciclistas amador e avançado, não deixam a desejar.

Quer alto desempenho e equipamentos leves?

Prefira o níveis alto e de competição.

Lembrando que, quanto maior o nível, mais salgado é o preço…

As marcas apresentam modelos que concorrem entre si… logo, essa escolha vai de gosto, uso e simpatia, além de preço (claro…). Outra detalhe importante é que você pode combinar marcas e modelos em uma bike só, sem problemas! Desde que as relações de marchas e componentes sejam equivalentes!

E aí? Qual você prefere? Qual  utiliza? Qual a sua opinião? Conte pra gente!

Obrigado e até a próxima!

 

Sobre Equipe blogbikebazar 130 Artigos
Somos um grupo de amigos da cidade de São Paulo, apaixonados por bikes, ciclismo e triathlon. Pedalamos há mais de 16 anos e queremos compartilhar com vocês, ciclistas iniciantes e profissionais, nossas experiências adquiridas!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*